Nem sexo frágil, nem sexo forte

EM: 7 de agosto de 2016

“A mulher é o sexo forte”, “o mundo é das mulheres”, “as mulheres são mais fortes que nós homens”, “as mulheres são muito melhores que nós”… Quem já não ouviu alguns homens dizendo isso? São os demagogos. Os interessados em que elas “babem” e fiquem a seus pés. São os mesmos que depois de as conquistarem, não telefonam, não curtem ficar a sós, não buscam a intimidade. A mulher não é melhor que o homem. Nem ele é melhor que ela… São diferentes!

A busca pela igualdade é uma grande falácia. Quem quer ser igual? É na diferença que somos especiais, que somos complementares. As faltas de um são os pontos fortes do outro e essa maravilhosa interdependência é que nos faz felizes, inteiros.

Ela está uma “pilha de nervos” por causa da pressão no trabalho e se derrete chorando no colo dele? Não há homem no mundo que não se sinta especial, amado, forte e feliz por oferecer segurança e apoio nessa hora. Ele a ouve, acolhe e compreende seu choro. Ela se sente fortalecida, amada e compreendida nesse momento.

Ele está irritado, agressivo e com vontade de chutar o balde, de pedir demissão porque foi criticado pelo seu chefe? Ao lado da mulher, ele grita enraivecido por causa das injustiças que lhe fizeram. Ela, carinhosa, lhe diz que sua inteligência não está sendo aproveitada e que sua competência não é reconhecida e que vai chegar a hora do sucesso. Ele se acalma. Não há homem no mundo que não se sinta “o cara” por ter uma mulher assim. Não há mulher no mundo que não se sinta importante nessa hora.

Nossas diferenças nos fazem interdependentes, nos fazem completos, realizados e felizes. É mil vezes melhor uma mulher dizendo: “não se preocupe amor, estou com você” do que dizendo: “ô cara, bola pra frente! Mostre sua garra, não deixe que pisem você”. É preferível que ela compartilhe seu choro, abrace seu parceiro e lhe peça apoio do que se sacrifique para “ser igual” dando uma de “poderosa”, enquanto chora escondida numa espécie de solidão silenciosa.

Melhor andar de mãos dadas. Somos diferentes, complementares. E como é maravilhoso podermos ser nós mesmos… nada mais, nada menos.

Tags

Categorias


Viverno digital

Loading...